No dia 01 de outubro é celebrado o Dia Nacional do Idoso, oportunidade para difundir informações que auxiliem na prevenção de doenças e terapias que somam na preservação das atividades funcionais da população a partir da terceira idade. Com o aumento do número de pessoas acima dos 60 anos nas próximas décadas, o tema é de grande relevância para garantir o envelhecimento dos indivíduos com qualidade de vida e a sustentabilidade de todo o sistema de saúde.

Faz parte da dinâmica de envelhecimento o desenvolvimento de processos degenerativos, que podem vir somados a distúrbios como os relacionados ao sistema nervoso central – entre elas a doença de Parkinson, o Alzheimer, as neuropatias diabéticas, além de outros desencadeantes como artrites e artroses, lombalgias, e etc.

Neste contexto, já é bastante difundido que a prática de bons hábitos ao longo de toda a vida exerce fatores cumulativos para adiar os processos degenerativos e suas consequências, em que se destacam rotina de atividade física, especialmente exercícios aeróbicos leves que ajudam na saúde cardiovascular; musculação para a manutenção da força e do equilíbrio contra quedas; alimentação equilibrada em nutrientes, fortalecendo a imunidade do organismo; e vida social ativa. São recomendações que valem para qualquer idade, mas quando o indivíduo já é idoso e acometido por doenças crônicas, ajudam a devolver mobilidade, reduzir quadros de dor, tensão, depressão, entre outros.

No campo da medicina, medicação e procedimentos operatórios vêm avançando a cada ano para conter perdas comuns ao organismo na terceira idade ou devolver as